Produção Industrial

A produção industrial nacional de janeiro apresentou queda de 2,4% frente ao mês de dezembro de 2021, na série com ajuste sazonal. Em relação a janeiro de 2021, houve recuo de 7,2%. Em doze meses, a indústria acumula alta de 3,1%.

Os destaques negativos foram de Veículos automotores, reboques e carrocerias, com -17,4%, Produtos farmoquímicos e farmacêuticos -5,4%, Indústrias extrativas, -5,2%, Bebidas -4,5%, Equipamentos de informática, produtos eletrônicos e ópticos -4,5%, Produtos de metal -3,3%, Metalurgia -2,8%, Produtos de minerais não-metálicos -2,4%, Máquinas e equipamentos -2,3%, e Outros produtos químicos -2,2%.

Apresentaram crescimento, Produções de coque, produtos derivados do petróleo e biocombustíveis +3,5%, e de Produtos alimentícios +1,4%.

Entre as grandes categorias econômicas, destaque para as produções de Bens de consumo duráveis, que foi de -11,5%, e de bens de capital, -5,6%. O setor de Bens de consumo semi e não-duráveis, com +0,3%, foi o único positivo.

A pesquisa foi realizada e divulgada pelo IBGE.

Relatório Focus

No Relatório Focus divulgado hoje pelo Banco Central, com as expectativas dos principais profissionais do Mercado brasileiro, as previsões ainda são de Inflação mais alta para o final do ano de 2022. Na semana passada, a expectativa era de +5,60% e, na visão das instituições financeiras, o IPCA deve ficar em +5,65%.
Para o final de 2023, a expectativa para o IPCA foi mantida em +3,51%.

A previsão para o PIB brasileiro para 2022 foi maior nesta semana. Passou de +0,30% para +0,42%.
A expectativa para o final de 2023 também foi mantida em +1,50%.

Para o Dólar, a previsão para o final de 2022 foi menor, com mediana em R$ 5,40. Era de R$ 5,50 na semana passada.
Para o final de 2023, a previsão foi levemente menor. Estava em R$ 5,31, mas agora foi de R$ 5,30.

A taxa Selic para o final deste ano foi mantida em +12,25%.
A previsão para o final de 2023 subiu para +8,25%. Era de +8,00% na semana passada.

Semana na Bolsa

Semana de quedas mais fortes nas principais Bolsas da Europa, principalmente com a guerra na Ucrânia. Tivemos baixas mais moderadas nas dos Estados Unidos. A Bolsa de Valores de São Paulo, mais curta devido ao feriadão, acabou sendo de alta.

O IBOV, índice Bovespa, terminou a semana aos 114.473,78 pontos, com baixa de -0,60% no dia, mas em alta de +1,18% na semana.

Dentre as principais ações que compõe o índice, destaques para:

A Vale, VALE3, fechou a semana cotada a R$ 101,97. Alta de +2,28% na sexta-feira e de +10,50% na semana.

Banco Itaú, ITUB4, fechou o último pregão da semana em R$ 24,67. Baixa de -1,52% no dia e de -3,18% na semana.

A Petrobras, PETR4, fechou aos R$ 34,23. Baixa de -0,03% no dia, mas em alta de +0,68% na semana. Preço internacional do barril do petróleo subiu ainda mais com a guerra na Ucrânia.

A Brasil Bolsa Balcão, B3SA3, apresentou queda de -2,23% na sexta-feira, fechando em R$ 14,44. Baixa de -0,96% na semana.

As ações do Banco Bradesco, BBDC4, fecharam cotadas em R$ 19,92. Queda de -2,88% no dia e de -2,01% na semana.

Ambev, ABEV3, fechou em R$ 13,93. Baixa de -1,76% no dia e queda forte de -8,36% na semana.

Destaques de baixa nesta semana, GOOL4, -14,00%, novamente AZUL3, -13,68%, e novamente CVCB3, com -11,87%. Destaques de alta, tivemos GGBR4, +15,48%, ENAT3, +14,56%, e BRAP4, com +14,31%.

Importante informar que estes dados e análises não significam nenhuma recomendação de compra ou venda. Apenas informações para ajudar você a tomar suas próprias decisões.

Relatório Focus

No Relatório Focus divulgado hoje pelo Banco Central, com as expectativas dos principais profissionais do Mercado brasileiro, as previsões ainda são de Inflação mais alta para o final do ano de 2022. Na semana passada, a expectativa era de +5,56% e, na visão das instituições financeiras, o IPCA deve ficar em +5,60%.
Para o final de 2023, a expectativa para o IPCA passou de +3,50% para +3,51%.

A previsão para o PIB brasileiro para 2022 foi mantida em +0,30%.
A expectativa para o final de 2023 também foi mantida em +1,50%.

Para o Dólar, a previsão para o final de 2022 foi mantida, com mediana em R$ 5,50.
Para o final de 2023, a previsão foi menor. Estava em R$ 5,36, mas agora foi de R$ 5,31.

A taxa Selic para o final deste ano foi mantida em +12,25%.
A previsão para o final de 2023 também foi mantida em +8,00%.

Semana na Bolsa

Semana de muita volatilidade, principalmente com a guerra na Ucrânia. Tivemos baixas nas principais Bolsas da Europa e a recuperação nas dos Estados Unidos, principalmente na sexta-feira. A Bolsa de Valores de São Paulo também se recuperou e teve leve de alta.

O IBOV, índice Bovespa, terminou a semana aos 113.141,94 pontos, com alta de +1,39% no dia e de +0,23% na semana.

Dentre as principais ações que compõe o índice, destaques para:

A Vale, VALE3, fechou a semana cotada a R$ 92,28. Alta de +5,41% na sexta-feira e de +7,51% na semana.

Banco Itaú, ITUB4, fechou o último pregão da semana em R$ 25,47. Alta de +2,04% no dia, mas em baixa de -2,64% na semana.

A Petrobras, PETR4, fechou aos R$ 34,00. Alta de +1,83% no dia e de +3,03% na semana. Preço internacional do barril do petróleo subiu mais com a guerra na Ucrânia.

A Brasil Bolsa Balcão, B3SA3, apresentou baixa de -0,82% na sexta-feira, fechando em R$ 14,58. Alta de +2,17% na semana.

As ações do Banco Bradesco, BBDC4, fecharam cotadas em R$ 20,35. Alta de +0,49% no dia, mas em queda de -4,50% na semana.

Ambev, ABEV3, fechou em R$ 15,20. Alta de +2,43% no dia e de +2,91% na semana.

Destaques de baixa nesta semana, AZUL3, -12,03%, BRFS3, -11,21%, e CVCB3, com -10,87%. Destaques de alta, tivemos PGMN3, +17,06%, MEGA3, +12,58%, e CRFB3, com +9,48%.

Importante informar que estes dados e análises não significam nenhuma recomendação de compra ou venda. Apenas informações para ajudar você a tomar suas próprias decisões.

IGP-M

O IGP-M, Índice Geral de Preços – Mercado, subiu 1,83% em fevereiro. O índice acumula alta 3,68% no ano e de +16,12% em 12 meses. Em fevereiro de 2021, o índice havia subido 2,53%.

O IPA, Índice de Preços ao Produtor Amplo, subiu 2,36% em fevereiro. A taxa do grupo Bens Finais variou +1,21% em fevereiro. Destaque para o subgrupo Alimentos in natura, cuja taxa foi de +6,89%. Excluindo os subgrupos Alimentos in natura e Combustíveis para o consumo, a variação foi de +0,69% em fevereiro.

A taxa do grupo Bens Intermediários foi para +1,50% em fevereiro. O principal responsável por este movimento foi o subgrupo Combustíveis e lubrificantes para a produção, com +5,40%. Excluindo o subgrupo Combustíveis e lubrificantes para a produção, a variação foi de +0,85% em fevereiro.

As Matérias-Primas Brutas registrou alta de 4,16% em fevereiro. Destaques para Soja em grão, +8,91%, e Algodão em caroço +11,57%. Com recuo nas taxas, tivemos Minério de ferro, de +18,26% para +5,49%, Bovinos, de +1,94% para +0,47%, e Mandioca/aipim, de +3,89% para +0,26%.

O IPC, Índice de Preços ao Consumidor, variou +0,33% em fevereiro. Registraram decréscimo em suas taxas o grupo Educação, Leitura e Recreação, de +0,94% para -0,10%, com Cursos formais passando de +4,27% para +2,02%.

Também apresentaram decréscimo em suas taxas Vestuário, de +1,17% para +0,20%, com Roupas, passando de +1,29% para +0,32%. Mas, Transportes, passou de -0,17% para +0,26%, e Comunicação, de +0,13% para +0,38%, registraram acréscimo em suas taxas. Com destaques para tarifa de Telefone residencial, que passou de +0,29% para 1,28%, e Conselho e associação de classe, de +0,59% para +1,85%.

O INCC, Índice Nacional de Custo da Construção, variou +0,48% em fevereiro. Com as seguintes variações na passagem de janeiro para fevereiro: Materiais e Equipamentos, de +1,05% para +0,56%, Serviços, de +1,28% para +1,69%, e Mão de Obra, de +0,14% para +0,19%. 

A pesquisa foi realizada e divulgada pelo Instituto Brasileiro de Economia, da FGV.

IPCA-15

O IPCA-15, Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo 15, foi de +0,99% em fevereiro, acima da taxa registrada em janeiro, que foi de +0,58%. Foi a maior variação para um mês de fevereiro desde 2016. No ano, o IPCA-15 acumula alta de 1,58% e, em 12 meses, de +10,76%. Em fevereiro de 2021, a taxa foi de +0,48%.

Oito dos nove grupos de produtos e serviços pesquisados apresentaram alta. A exceção foi Saúde e cuidados pessoais, cujos preços recuaram 0,02%. A maior variação foi do grupo Educação, +5,64%. Na sequência, vieram Alimentação e bebidas, +1,20%, e Transportes, que subiu 0,87%.

Em Educação, a maior contribuição veio de Cursos regulares, +6,69%. As maiores variações vieram do Ensino fundamental +8,03%, Pré-escola +7,55%, Ensino médio +7,46%, Creche +6,47% e Ensino superior +5,90%.

No grupo Alimentação e bebidas, a Alimentação no domicílio passou para +1,49% em fevereiro. Os maiores impactos vieram da Cenoura, +49,31%, da Batata-inglesa +20,15%, do Café moído +2,71%, das Frutas +1,75%, e das Carnes +1,11%. Mas, houve queda nos preços do Frango inteiro, -1,97%, Arroz -1,60% e do Frango em pedaços -1,31%.

O grupo dos Transportes subiu principalmente por conta das altas dos Veículos próprios +2,01%: com Automóveis novos +2,64%, Motocicletas +2,19% e Automóveis usados +2,10%. Os Combustíveis registraram estabilidade em fevereiro: com o Óleo diesel +3,78% e a Gasolina +0,15%, mas Etanol -1,98% e Gás veicular -0,36% registraram queda.

São Paulo apresentou a maior alta, com +1,20%, e Porto Alegre foi a única que caiu, com -0,11%.

A pesquisa foi realizada e divulgada pelo IBGE.

Relatório Focus

No Relatório Focus divulgado hoje pelo Banco Central, com as expectativas dos principais profissionais do Mercado brasileiro, as previsões ainda são de Inflação mais alta para o final do ano de 2022. Na semana passada, a expectativa era de +5,50% e, na visão das instituições financeiras, o IPCA deve ficar em +5,56%.
Para o final de 2023, a expectativa para o IPCA foi mantida em +3,50%.

A previsão para o PIB brasileiro para 2022 foi mantida em +0,30%.
A expectativa para o final de 2023 também foi mantida em +1,50%.

Para o Dólar, a previsão para o final de 2022 foi levemente menor, com mediana em R$ 5,50. Era de R$ 5,58 na semana passada.
Para o final de 2023, a previsão também foi menor. Estava em R$ 5,45, mas agora foi de R$ 5,36.

A taxa Selic para o final deste ano foi mantida em +12,25%.
A previsão para o final de 2023 também foi mantida em +8,00%.

Relatório Focus

No Relatório Focus divulgado hoje pelo Banco Central, com as expectativas dos principais profissionais do Mercado brasileiro, as previsões são de Inflação mais alta para o final do ano de 2022. Na semana passada, a expectativa era de +5,44% e, na visão das instituições financeiras, o IPCA deve ficar em +5,50%.
Para o final de 2023, a expectativa para o IPCA foi mantida em +3,50%.

A previsão para o PIB brasileiro para 2022 foi mantida em +0,30%.
A expectativa para o final de 2023 foi menor. Era de +1,53%, mas agora é de +1,50%.

Para o Dólar, a previsão para o final de 2022 foi levemente menor, com mediana em R$ 5,58. Era de R$ 5,60 na semana passada.
Para o final de 2023, a previsão também foi menor. Estava em R$ 5,50, mas agora foi de R$ 5,45.

A taxa Selic para o final deste ano está prevista em 12,25%. Era de +11,75% na semana passada.
A previsão para o final de 2023 foi mantida em +8,00%.

Semana na Bolsa

Mais uma semana mostrando volatilidade. Continua a aversão ao risco devido ao avanço da pandemia, além da inflação e o risco de guerra na Ucrânia. Tivemos leves altas nas principais Bolsas da Europa e baixa nas dos Estados Unidos. A Bolsa de Valores de São Paulo teve semana de alta.

O IBOV, índice Bovespa, terminou a semana aos 113.572,35 pontos, com alta de +0,18% no dia e de +1,18% na semana.

Dentre as principais ações que compõe o índice, destaques para:

A Vale, VALE3, fechou a semana cotada a R$ 91,97. Queda de -2,02% na sexta-feira, mas em alta de -4,54% na semana.

Banco Itaú, ITUB4, fechou o último pregão da semana em R$ 26,53. Bela alta de +5,91% no dia e de +4,12% na semana.

A Petrobras, PETR4, fechou aos R$ 33,76. Boa alta de +4,07% no dia e de +3,46% na semana. Preço internacional do barril do petróleo permanece muito alto.

A Brasil Bolsa Balcão, B3SA3, apresentou baixa de -1,28% na sexta-feira, fechando em R$ 13,92. Baixa de -1,49% na semana.

As ações do Banco Bradesco, BBDC4, fecharam cotadas em R$ 21,14. Alta de +0,33% no dia, mas em queda de -7,89% na semana, devido aos resultados apresentados no último balanço.

Ambev, ABEV3, fechou em R$ 14,86. Alta de +0,75% no dia e de +3,12% na semana.

Destaques de baixa nesta semana, MEGA3, -10,86%, SQIA3, -9,78%, e SOMA3, com -8,82%. Destaques de alta, tivemos JBSS3, +12,50%, NTCO3, +11,04%, e PSSA3, com +10,95%.

Importante informar que estes dados e análises não significam nenhuma recomendação de compra ou venda. Apenas informações para ajudar você a tomar suas próprias decisões.