IPCA – Inflação

O IPCA, Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo, de maio foi de +0,47%, abaixo da taxa de +1,06%, de abril. No ano, o IPCA acumula alta de 4,78% e, nos últimos 12 meses, de +11,73%. Em maio de 2021, a variação havia sido de +0,83%.

8 dos 9 grupos de produtos e serviços pesquisados tiveram alta em maio. A maior variação veio do grupo Vestuário, com alta de 2,11%. Seguido de Transportes, +1,34%, Saúde e cuidados pessoais, +1,01%, e Alimentos e bebidas, +0,48%. O único grupo a apresentar queda foi Habitação, com -1,70%.

Em Vestuário, os destaques foram nos preços das Roupas masculinas, +2,65%, Roupas femininas, +2,18%, Roupas infantis, +2,14%, e Calçados e acessórios, +2,06%. A exceção no grupo foram as Joias e bijuterias, cujos preços recuaram 0,34%.

No grupo Transportes, a maior contribuição veio das Passagens aéreas, +18,33%. Os Combustíveis, +1,00%, desaceleraram em relação ao mês anterior, devido à Gasolina, que passou de 2,48% em abril para 0,92% em maio. Houve ainda queda no preço do Etanol, com -0,43%. Mas também houve variações positivas dos subitens Ônibus intermunicipais, +1,19%, Ônibus urbano, +0,06%, e Táxi, +0,72%.

No grupo Saúde e cuidados pessoais, destaque para os Produtos farmacêuticos, com +2,51%.

A desaceleração do grupo Alimentação e bebidas, deve-se à Alimentação no domicílio, que passou de 2,59% em abril para 0,43% em maio. Verificou-se queda nos preços da Cenoura, -24,07%, Tomate, -23,72%, e Batata-inglesa, -3,94%. Altas foram puxadas pela Cebola, +21,36%, e o Leite longa vida, +4,65%.

O resultado da Alimentação fora do domicílio ficou muito próximo ao de abril. O Lanche passou de +0,98% para +1,08% e a Refeição foi de +0,42% para +0,41%.

A queda do grupo Habitação deve-se, sobretudo, à Energia elétrica, com -7,95%, que recuou pelo segundo mês seguido. Em 16 de abril, cessou a cobrança extra de R$ 14,20 a cada 100 kWh consumidos, no contexto da bandeira Escassez Hídrica. Desde então, passou a vigorar a bandeira verde, sem cobrança adicional na conta de luz. Também destaca-se o recuo nos preços do Gás de botijão, -1,02%. No lado das altas, a variação positiva da Taxa de água e esgoto, com +2,73%.

Pelas regiões, apenas Vitória, com -0,08%, teve variação negativa em maio. Já a maior alta foi em Fortaleza, com +1,41%.

A pesquisa foi realizada e divulgada pelo IBGE.

Publicado por Panizo

Estudioso do Mercado Financeiro e Investimentos. Em curso de Assessor Autônomo de Investimentos.

%d blogueiros gostam disto: