IPCA-15

O IPCA-15, Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo 15, foi de +1,20% em outubro. Foi a maior variação para um mês de outubro desde 1995, quando mostrou +1,34%, e a maior variação mensal desde fevereiro de 2016, que foi de +1,42%. No ano, o IPCA-15 acumula alta de 8,30% e, em 12 meses, de +10,34%. Em outubro de 2020, a taxa foi de +0,94%.

O maior vilão foi o grupo Transportes, com +2,06%, seguido da Habitação, com +1,87%, e Alimentação e bebidas, +1,38%. O que ajudou um pouco foi Saúde e cuidados pessoais, com -0,01%.

Em Transportes, destaque para Passagens aéreas, que subiram 34,35%, e os Combustíveis, com +2,03%. Sendo que a Gasolina subiu 1,85%, Etanol +3,20%, Óleo diesel +2,89%, e Gás veicular +0,36%.

Em Habitação, o destaque ainda é a Energia elétrica, com +3,91%, e do Gás de botijão, com +3,80%.

No grupo Alimentação e bebidas, principal influência da Alimentação no domicílio, com +1,54%. Sendo que os preços das Frutas subiram 6,41%. O Tomate +23,15%, a Batata-inglesa +8,57%, Frango em pedaços +5,11%, Café moído +4,34%, Frango inteiro +4,20%, e o Queijo +3,94%. Mas houve queda nos preços da Cebola, com -2,72%, o Arroz, -1,06%, e Carnes, com um “cheirinho” de -0,31%.

Houve altas em todas as regiões pesquisadas, em outubro. O menor resultado ocorreu em Belém, com +0,51%, e o maior foi em Curitiba, com +1,58%.

A pesquisa foi realizada e divulgada pelo IBGE.

Publicado por Luis Panizo

Estudioso em investimentos gerais e economia.

%d blogueiros gostam disto: