Inflação

O IPCA, Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo, de agosto foi de +0,87%, abaixo da taxa de +0,96% de julho. No ano, o IPCA acumula alta de 5,67% e de +9,68% nos últimos 12 meses. Em agosto de 2020, a variação mensal foi de +0,24%.

A maior variação foi dos Transportes, com +1,46%, seguido por Alimentação e bebidas, com +1,39%. Em queda, apenas Saúde e cuidados pessoais, com -0,04%.

O resultado dos Transportes foi influenciado pela alta dos Combustíveis, com +2,96%. A Gasolina subiu 2,80%, Etanol +4,50%, Gás veicular +2,06% e Óleo diesel +1,79%.

Em Alimentação e bebidas, a alta foi principalmente por conta das altas da Batata-inglesa, +19,91%, do Café moído, +7,51%, do Frango em pedaços, +4,47%, das Frutas, +3,90%, e das Carnes, +0,63%. No lado das quedas, destacam-se a Cebola, -3,71%, e o Arroz, com -2,09%.

Todas regiões pesquisadas apresentaram variação positiva em agosto. A maior foi em Brasília, com +1,40%, e a menor foi em Belo Horizonte, com +0,43%.

O INPC, Índice Nacional de Preços ao Consumidor, teve alta de 0,88% em agosto, abaixo do resultado de julho, que apresentou +1,02%. No ano, acumula alta de 5,94% e, em 12 meses, de +10,42%. Em agosto de 2020, a taxa foi de +0,36%.

Os Produtos alimentícios subiram 1,29% em agosto, ficando acima do resultado de julho, +0,66%. Os Não alimentícios tiveram alta de 0,75%, abaixo de julho, quando haviam registrado +1,13%.

Todas regiões registraram alta em agosto. Brasília teve a maior variação, com +1,60%, a menor foi de Fortaleza, com +0,43%.

As pesquisas foram realizadas e divulgadas pelo IBGE.

Publicado por Luis Panizo

Estudioso em investimentos gerais e economia.

%d blogueiros gostam disto: